Apoio à População de Lourosa

Um amigo e vizinho d’A Casa da Cidade estendeu-nos o pedido para ajudar as pessoas afetadas pelos incêndios na Zona de Oliveira do Hospital. Ele faz parte de uma equipa de anónimos que está a ir às freguesias afetadas dar apoio.
Abraçámos o desafio e mobilizámos a nossa comunidade para participar com alguns donativos.

No dia 4 de Novembro fomos a Lourosa, Midões. Na viagem de regresso a Lisboa, com a carrinha vazia e o coração cheio pensava que ainda vamos ter oportunidade de voltar outra vez com mobiliário e utilidades domésticas. Muito ainda está por reconstruir mas a esperança e o amor já florescem!

Susete Mira

acasadacApoio à População de Lourosa

Devocional – Quem dizem os homens que Eu Sou? 40/40

EU SOU A RESSURREIÇÃO E A VIDA

“Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá; e todo o que vive e crê em mim não morrerá, eternamente.”

João 11.25-26

 DIA 40

O evangelho de João é único. É a cereja no topo do bolo!

É diferente dos outros três, Mateus, Marcos e Lucas. Foi o último dos quatro evangelhos a ser escrito e um dos últimos textos do Novo Testamento, em conjunto com as cartas de João (I, II, III) e Apocalipse.

O texto de João coloca uma ênfase especial na divindade de Jesus Cristo. Por outras palavras, tem como objetivo demonstrar e revelar que, Jesus, era Deus. A segunda pessoa da Trindade. Aquele que estava presente em tudo o que o Pai criou e estabeleceu. Aquele, de quem o texto diz: sem Ele, nada teria sido criado, porque Ele foi, ao mesmo tempo, o Redentor de toda a criação.

Em João, o mais importante não é tanto o que Jesus fez, mas quem ELE É e como Se deu e Se dá a conhecer, em tudo o que fez e disse.

Os outros evangelhos salientam o que Jesus fez, as Suas origens, os Seus ensinos e o cumprimento das profecias sobre o Messias. Mas João está interessado em interpretar e salientar quem ELE É verdadeiramente, sem deixar margem para dúvidas. Em João, o Deus que tudo pode e É, está próximo, e É tudo o que precisamos. É o meio para nos chegarmos a Deus Pai. É o Deus que Se relaciona, que Se dá a conhecer.

João quer responder, através do seu evangelho, à principal pergunta feita por Jesus aos Seus discípulos: “Para vocês que me seguem (…) QUEM SOU EU? (…) DE QUEM É QUE EU SOU FILHO?”

Em João, temos a revelação de que o Deus criador e sustentador de todas as coisas, mais do que Se apresentar como O que tinha sido prometido, como alguém que pode todas as coisas, é Aquele que veio até nós e que Se apresenta, de forma vulnerável, propondo um relacionamento que É TUDO para nós. É a nossa suficiência e a nossa provisão!

Meditemos, consideremos, ocupemos o nosso pensamento nisto em alguns momentos do dia. Disse Jesus:

EU SOU o teu pão! (6.35) “Jesus afirmou: ‘Eu sou esse pão que dá vida. Aquele que me aceita nunca mais há-de ter fome e o que acredita em mim nunca mais há-de ter sede.’”

EU SOU a tua luz! (8.12) “Noutra ocasião, Jesus falou ao povo deste modo: «Eu sou a luz do mundo. Quem me seguir deixa de andar na escuridão e terá a luz da vida.»

EU SOU a tua porta, como a porta das ovelhas! (10.7) “Por conseguinte Jesus continuou: ‘Em verdade vos digo, eu sou a porta por onde entram as ovelhas.’”

EU SOU o teu pastor, bom pastor! (10.11) “Eu sou o bom pastor. O bom pastor está pronto a morrer pelas suas ovelhas.”

EU SOU a tua ressurreição e a tua vida! (11.25) “Jesus então declarou-lhe: ‘Eu sou a ressurreição e a vida. O que crê em mim, mesmo que morra, há-de viver.’”

EU SOU o teu caminho, a tua verdade e a tua vida! (14.6) “Eu sou o caminho, a verdade e a vida», respondeu Jesus. ‘Ninguém pode chegar ao Pai sem ser por mim.’”

EU SOU a videira verdadeira onde estás enxertado como uma vara! (15.5) “Eu sou a videira e vós os ramos. Aquele que estiver unido comigo dá muito fruto porque sem mim nada podem fazer.”

Uma coisa é conhecer e falar de Jesus, com base em informação recebida, seja por leitura ou por tradição do que recebemos dos nossos pais e familiares – pela frequência e envolvimento numa comunidade cristã. Outra bem distinta é aquela que tem por base o que ELE É para nós, como experiência pessoal, inolvidável e concreta. Tens tu esta experiência?

Nestas semanas, que dedicamos ao momento mais solene da vida cristã, a Páscoa, tens essa oportunidade de te aproximares Dele, para O conheceres, como nunca antes aconteceu. Oramos por isso.

O mundo, a nossa cidade, aguardam a manifestação de uma comunidade que fala com o conhecimento e experiência de que ELE É a nossa suficiência.

João Martins

 

acasadacDevocional – Quem dizem os homens que Eu Sou? 40/40

Devocional – Quem dizem os homens que Eu Sou? 39/40

EU SOU A RESSURREIÇÃO E A VIDA

“Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá; e todo o que vive e crê em mim não morrerá, eternamente.”

João 11.25-26

 DIA 39

Nem sempre é fácil ver Jesus na nossa vida… Há dias em que tudo parece cinzento, sem cor, sem a luz que ilumina o caminho que devemos escolher; dias onde vivemos a esperança das promessas feitas aos filhos de Deus, mas nem sempre conseguimos viver a alegria da sua Vida em nós… Temos de esperar que passe a noite, o momento onde vivemos, até se tornar real o que Ele tem preparado para nós…

Nesta época de Páscoa, pensamos na sexta-feira, o dia em que o sol do meio-dia se tornou noite, e no domingo, onde o sol brilhou, de tal forma, que contagiou o coração de todos… Mas muitas vezes penso no sábado: um dia de tristeza, de profunda e sentida tristeza. Nada naquele dia podia antever o dia seguinte: a tristeza que invadia o coração dos discípulos era tão densa que nada os fazia lembrar das promessas de uma nova vida… E na nossa vida temos muitos ”sábados”: dias de profunda tristeza, onde as soluções possíveis não têm peso e onde as promessas e palavras estão esquecidas, camufladas pelos meus pensamentos… Sempre que estamos embrenhados nos problemas, nas falhas, desilusões ou, simplesmente, na vida, e não conseguimos ver nada além disso, as promessas são esquecidas e não nos fazem viver a alegria da certeza da vitória que Cristo conquistou na cruz; vivemos a cruz, vivemos a morte e não a vida.

EU sou a Ressurreição e a Vida!!! Esta certeza deve estar sempre presente na minha forma de enfrentar qualquer dia. Cristo é vida, e vida em mim! Não há nada neste mundo que possa desvanecer esta certeza, todos os dias, mesmo nos “sábados”, onde não é nítido o que vai acontecer… Se estás a viver um “sábado”, acredita que o domingo vai chegar, e a Vida irá inundar o teu coração!

Sara Dias

acasadacDevocional – Quem dizem os homens que Eu Sou? 39/40

Devocional – Quem dizem os homens que Eu Sou? 38/40

EU SOU A RESSURREIÇÃO E A VIDA

“Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá; e todo o que vive e crê em mim não morrerá, eternamente.”

João 11.25-26

 DIA 38

A nossa vida é uma contínua resposta à pergunta que Jesus fez a Marta. Tudo na nossa vida é transformado a partir desta crença cristã básica. É ela que nos faz tomar todas as decisões, desde as menores, às maiores. Não é a própria crença que muda ao longo dos anos, mas antes, a forma como a crença nos transforma e vai abrindo caminho no nosso coração, para Jesus nos levar da morte para a vida. É incrível ver que, Deus, por nos amar tanto, apenas pede de nós a única coisa que Lhe podemos dar: a nossa mão vazia e dependente d’Ele (Salmo 51.17). A partir daí, é Ele que nos guia em tudo o que fazemos. Esta conversa com Marta foi extremamente simples, tida num dia de grande tristeza, onde nada alegrava o coração dela a não ser o facto de estar ali Jesus, o seu amigo e salvador.

Não pensemos que Jesus nos traz da morte para a vida com coisas muito complexas ou grandes. Vamos começar a amar mais os nossos amigos e familiares, a ter amizades mais profundas com os nossos irmãos na fé, a viver de forma mais sincera com os outros, quando percebermos que Deus nos transforma, onde nós estamos, olhando para nós exatamente como somos e não como deveríamos ser.

Este é um texto muito bonito, também por mostrar a forma simples como esta família vivia e a forma como Jesus dá vida a tudo o que toca. Lê a passagem e medita na forma como a vida eterna também se manifesta nas coisas mais normais e pequenas.

João Tereso

 

acasadacDevocional – Quem dizem os homens que Eu Sou? 38/40

Devocional – Quem dizem os homens que Eu Sou? 37/40

EU SOU A RESSURREIÇÃO E A VIDA

“Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá; e todo o que vive e crê em mim não morrerá, eternamente.”

João 11.25-26

 DIA 37

Apocalipse 3.20

Deus está muito interessado em ti, está à porta e bate para entrar e ter um relacionamento contigo.

Quando estamos em aflição, Deus não precisa de ser solicitado duas vezes, Ele já decidiu responder, mesmo antes de pedirmos. Ele é um Deus de graça.

José Carlos Fidalgo

acasadacDevocional – Quem dizem os homens que Eu Sou? 37/40

Devocional – Quem dizem os homens que Eu Sou? 36/40

EU SOU A RESSURREIÇÃO E A VIDA

“Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá; e todo o que vive e crê em mim não morrerá, eternamente.”

João 11.25-26

 DIA 36

A Ressurreição é a nossa esperança. O que nos mantém livres do desespero é a fé de que a morte não terá a última palavra e todas as mortes serão alvo do poder da ressurreição, quando todas as coisas voltarem à sua origem, o Cristo (Efésios 1.10).

Sabemos que Jesus nos dá a Ressurreição depois da morte, mas será que existe também Vida antes da morte? Dá a impressão que muito do nosso Cristianismo foi resumido a “aceitar um bilhete para o céu” ou “assinar um seguro contra o Inferno”. Apesar de isto fazer parte da nossa Fé, o chamado de Jesus traz uma radicalidade para o aqui e agora. Jesus não é só Ressurreição, é também Vida.

O Cristo que nos vai dar vida depois da morte, também nos quer dar vida antes dela e fazer de nós as pessoas que Ele projetou para sermos. Vida é muito mais do que a não cessação das nossas funções biológicas, Vida é muito mais do que a animação da nossa consciência. Vida é Deus, Vida é o que procede de Deus, Vida é ter o amor de Deus derramado sobre nós. E, nos momentos em que nos apercebemos deste Amor imensurável, sabemos que morte ou vida são um detalhe, pois “quer vivamos quer morramos, somos do Senhor” (Romanos 14.8).

Senhor, a tua Vida habita-me. Porém, insistentemente, teimo em apenas subsistir, existir e, quando muito, ter a esperança que, pela Tua Graça, quando morrer, a minha existência não cessa, as minhas amizades não morrem, as minhas memórias não desaparecem, os meus laços não se desatam. E Tu, Senhor, me garantes isso, porém, tudo isto é consequência da Vida que és Tu, pois, de si mesmo, nada é.

Por vezes, o meu coração abre-se e consigo ver com clareza que a Vida és Tu e isso basta. Mas, na maioria das vezes, os meus olhos espirituais toldam-se e só consigo ver o natural. Porque Te ignoro Vida, se lá no fundo sei que és tudo o que preciso?

O que Te peço hoje é que me dês Vida, que as minhas resistências vacilem e eu usufrua da Tua Vida abundante, que sopres em mim, à semelhança de Adão, e me faças um real possuidor de Vida e não apenas um ente que existe.

Natanael Gama

acasadacDevocional – Quem dizem os homens que Eu Sou? 36/40

Devocional – Quem dizem os homens que Eu Sou? 35/40

EU SOU A RESSURREIÇÃO E A VIDA

“Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá; e todo o que vive e crê em mim não morrerá, eternamente.”

João 11.25-26

 DIA 35

Os médicos conseguiram pôr um cego a ver. Ele estava a olhar para o mundo, pela primeira vez, e a reconhecer as palavras que já lhe eram familiares. Quando o processo de aprendizagem se tornava muito pesado, ele fechava os olhos e voltava ao seu hábito – ao toque. A coisa mais difícil de lhe explicar foi a palavra “luz”. Não se pode apontar o dedo na direção da luz. Ela estava em toda a parte, e em lugar nenhum ao mesmo tempo. A parte mais complicada era o menino já ter a sua perceção do que era a luz, enquanto era cego. Agora, ele estava à procura de uma luz, que quando era cego imaginou. A mãe tentava explicar-lhe como ver a luz. Mas a palavra “luz” era uma palavra de outro mundo…

Tal como este rapaz, temos feito parte do caminho com os olhos fechados. Nós demos um sentido às palavras e aprendemos a andar pelo toque. Depois, houve um encontro. Encontro com Aquele que é o caminho, a verdade e a vida. O encontro que abriu os nossos olhos…

E agora eu sei, mais uma vez, o que é a “vida”. Quando uma pessoa deixa de respirar, dizemos que a vida a abandonou. Quando a respiração volta, dizemos que a vida voltou.

Pergunto-me: viver e respirar são a mesma coisa? Ou “vida” é a tal palavra do outro mundo?

Deus soprou em nós o sopro da vida. Ele não preencheu simplesmente os nossos pulmões de oxigénio. Ele repartiu comigo a Sua natureza, porque Ele é a vida.

E, hoje, eu tenho escolha: fechar os olhos e continuar a ir pelo toque, ou procurar a vida, que é mais do que respiração, e precisar d’Ele, mais do que do oxigénio, alimentar-me das Suas palavras, como pão, e ver este mundo de uma forma completamente diferente. A vida consiste em muito mais do que tarefas, trabalho e preocupações. É só quando me chego a Ele que realmente sinto vida. Eu respiro, mas inspiro algo diferente do ar… E esta parte de mim nunca morrerá! Que privilégio ter comunhão com o eterno, agora, nesta terra. Olhar para o mundo que não para, com os olhos abertos, e ver nele um princípio eterno – o sopro da vida d’Ele.

Masha Ivanishchev

acasadacDevocional – Quem dizem os homens que Eu Sou? 35/40

Devocional – Quem dizem os homens que Eu Sou? 34/40

EU SOU A RESSURREIÇÃO E A VIDA

“Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá; e todo o que vive e crê em mim não morrerá, eternamente.”

João 11.25-26

 DIA 34

Fantástico! Que magnífica afirmação de Jesus! “EU SOU”! O que isto realmente implica, ultrapassa a nossa compreensão. No entanto, uma das funções do Espírito Santo é também conceder-nos a graça de “vermos”, de forma mais profunda, o verdadeiro sentido desta afirmação – Jesus “É”! Este entendimento revela-nos que, antes de qualquer coisa ter forma ou existir, Ele “É”! Aliás, foi n’Ele, e por Ele, que tudo foi chamado a existir (João 1.3-4).

Tudo ganhou forma n’Ele!

Não obstante esta esplendorosa afirmação, Ele ainda prossegue declarando SER a RESSURREIÇÃO e a VIDA! Refletir sobre isto cria em nós uma confiança inabalável. Cria em nós, como o apóstolo Paulo dizia, “uma viva esperança”, a qual produz uma segurança inexplicável. As garantias para a eternidade estão implícitas nesta afirmação, basta apenas, e tão-somente, crer verdadeira e genuinamente que Ele, JESUS, “É” a RESSURREIÇÃO e a VIDA.

Não existe Vida fora Dele, Ele é a fonte de todo o tipo de vida! Ressurreição significa o ato de ressurgir, de reaparecer vivo, de tornar a ter vida, e esta é a promessa de Jesus a cada um que Nele verdadeiramente crê. Depois desta afirmação, Jesus ressuscitou Lázaro, mostrando assim que Ele “É”, de fato, quem afirma “SER”. Que prova mais evidente Marta, Maria, os discípulos e todos os que O ouviam precisavam? Morte é a ausência de vida, logo, morte é a ausência de Jesus, de Deus! O Próprio, depois da morte, voltou a reviver e, com isso, trouxe-nos a firme certeza e a garantia de que, por Ele, e n’Ele, podemos descansar e repousar, confiantes quanto à eternidade! A mesma pergunta se coloca a cada um de nós: “Crês, DE VERDADE, tu nisto?”

Carlos Couveiro

acasadacDevocional – Quem dizem os homens que Eu Sou? 34/40

Devocional – Quem dizem os homens que Eu Sou? 33/40

EU SOU O PÃO DA VIDA

“Eu sou o pão da vida; o que vem a mim jamais terá fome… Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém dele comer, viverá eternamente; e o pão que eu darei pela vida do mundo é a minha carne.”

João 6.35, 51

 DIA 33

De sete maneiras diferentes, no evangelho de João, o Senhor Jesus usa uma metáfora para expressar algo acerca do Seu caráter, algo para evidenciar a Sua divindade. No capítulo seis, Ele descreve-se a Si mesmo como o Pão da vida.

O pão é um dos alimentos mais populares, em qualquer país. Em qualquer parte do mundo é possível vermos pessoas nos mercados, padarias, lojas de conveniência, quiosques, etc., à procura de pão, porque é um dos mais antigos e valiosos alimentos.

Jesus veio ao mundo para suprir as nossas mais profundas necessidades, que começam pela própria vida e passam, necessariamente, pelos alimentos.

Não existe vida sem Cristo, Ele dá-nos vida em todas as dimensões. Jesus é, por excelência, o supridor das nossas necessidades, satisfaz-nos completamente.

Nós podemos (e devemos) identificar-nos com Cristo. Quando comemos pão, permitimos que todos os seus elementos nutrientes se associem ao nosso organismo. Quando nos alimentamos, espiritualmente, de Cristo, recebemos o que d?Ele provém. Nós tornamo-nos parte d’Ele!

Os médicos costumam dizer que “a pessoa é aquilo que come”, ou seja, as pessoas que se alimentam mal, vivem mal. O cristão destaca-se no mundo, especialmente por ser bem alimentado no mundo espiritual. E quanto mais nos alimentarmos, mais crescemos.

Cada vez que celebramos a Ceia do Senhor, em comemoração da morte redentora de Jesus, lembramos os Seus sofrimentos, que podem ser, mais ou menos, avaliados, ao pensarmos no penoso processo de fabrico do pão. O pão moído, amassado, triturado e levado ao fogo, torna-se um alimento “vivo” para nós, para o nosso corpo.

A morte de Cristo concede-nos vida. A vida de Cristo sustenta-nos. As palavras de Cristo vivificam-nos.

O que significa Jesus ser o Pão da Vida?

Elisabete Simões

acasadacDevocional – Quem dizem os homens que Eu Sou? 33/40

Devocional – Quem dizem os homens que Eu Sou? 32/40

EU SOU O PÃO DA VIDA

“Eu sou o pão da vida; o que vem a mim jamais terá fome… Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém dele comer, viverá eternamente; e o pão que eu darei pela vida do mundo é a minha carne.”

João 6.35, 51

 DIA 32

Desde cedo, procuramos seguir um plano de vida, muito orientado pela formação e educação que tivemos. Finalizamos a escola, escolhemos um curso, ou uma profissão, e depositamos as nossas esperanças num percurso que pensamos ser linear, sem grandes desvios. No fundo, procuramos um sustento regular na nossa vida, um lugar ao sol. Percebemos rapidamente que esse sustento não é suficiente, é fraco e imperfeito. Surgem inúmeros obstáculos e até “derrapagens”, que nos fazem sair de um caminho orientado por nós. Somos confrontados com a frustração, o desânimo, o negativismo e rapidamente questionamos as nossas escolhas. Pretendemos ficar à tona de água, respirar e ser sustentados, como for possível.

É aí que nos devemos voltar para Deus e, mais do que nunca, procurar a Sua plenitude. O Seu sustento é perfeito e completo, a todos os níveis. Ele mostra o caminho a seguir, basta aceitá-Lo, com total confiança. Aceitas ser sustentado plenamente por Deus?

Marcos Oliveira

acasadacDevocional – Quem dizem os homens que Eu Sou? 32/40